Morre Diego Armando Maradona um dos maiores jogadores de futebol da história

Morreu nesta quarta-feira (25) Diego Armando Maradona, aos 60 anos. A informação foi confirmada por seu advogado. Campeão da Copa do Mundo de 1986 com a seleção do país, foi um dos maiores jogadores de futebol de todos os tempos.
Segundo o jornal Clarín, Maradona teve uma parada cardiorrespiratória em casa, em Tigre, na região de Buenos Aires, onde estava desde que passou por um procedimento cirúrgico na cabeça mais cedo neste mesmo mês de novembro.
Maior ídolo esportivo da Argentina, ele nasceu no dia 30 de outubro de 1960 e cresceu no humilde bairro de Villa Fiorito, no subúrbio de Buenos Aires.
Campeão mundial em 1986, quando teve seu auge na Copa do México, tornou-se uma das figuras mais populares e controversas das últimas décadas. Ganhou em 2000 uma eleição popular feita pela Fifa na internet para eleger o melhor jogador do século 20. Com 53,6% dos votos, superou Pelé (18,53%) nessa enquete e levou um troféu da entidade, que conferiu também ao brasileiro um prêmio de melhor do século 20, só que em votação da “Família do Futebol”, um comitê montado pela Fifa.
A carreira de Maradona começou para valer em 1976, quando foi contratado pelo Argentinos Juniors. Ele já jogava e chamava atenção por sua grande habilidade com a bola desde os nove anos, defendendo o time infantil dos Cebollitas. No dia 20 de outubro de 1976, antes de completar 16 anos, estreou na primeira divisão argentina na derrota do Argentinos Juniors por 1 a 0 para o Talleres. Poucas semanas depois, no dia 14 de novembro, marcou no San Lorenzo seu primeiro gol como profissional.
Aos 16 anos Maradona estreou na seleção principal de seu país. Foi contra a Hungria, no dia 27 de fevereiro de 1977, na Bombonera. Porém o promissor craque não foi inscrito na Copa do Mundo de 1978 na Argentina por decisão do técnico César Luis Menotti.
No ano seguinte, o meia liderou a seleção argentina na conquista do Mundial sub-20 no Japão e foi eleito o melhor jogador da competição. Também em 1979, no dia 2 de junho, Maradona anotou numa vitória de 3 a 1 sobre a Escócia, em Glasgow, seu primeiro gol pela seleção principal da Argentina.
O “Pibe de Oro” foi vendido para o Boca Juniors, clube do qual se tornaria grande ídolo e símbolo. Após ser cinco vezes artilheiro de torneios na Argentina sem levar o Argentinos Juniors ao título, conquistou em 1981 o Metropolitano pelo Boca.
Em 1982, antes mesmo da Copa da Espanha, Maradona já havia sido negociado com o Barcelona. Sua atuação no Mundial de 1982, assim como a da seleção argentina, não correspondeu à grande expectativa gerada, e o meia acabou expulso na última partida da Argentina na competição, uma derrota de 3 a 1 para o Brasil.
No Barcelona, Maradona enfrentou algumas dificuldades. Logo em sua primeira temporada, contraiu hepatite. Teve problemas com o técnico alemão Udo Lattek, que foi demitido do clube espanhol. Em 1983, conquistou a Copa do Rei numa final contra o Real Madrid, além da Copa da Liga da Espanha, competição na qual anotou um gol no estádio Santiago Bernabéu que arrancou aplausos até da torcida madridista.
Em setembro de 1983, no entanto, Maradona sofreu uma fratura no tornozelo esquerdo após uma entrada violenta de Goikoetxea, do Athletic Bilbao. Foi operado e ficou três meses e meio sem jogar. Numa tensa decisão da Copa do Rei contra o mesmo Bilbao, Maradona foi o pivô de uma batalha campal ao agredir Miguel Ángel Sola.
O meia argentino foi suspenso por três meses pela federação espanhola, e o Barcelona, que havia pago cerca de US$ 8 milhões por ele, aceitou então uma oferta do Napoli de US$ 7,5 milhões pelo jogador, que teve os seus primeiros contatos com drogas ainda na Espanha. A relação ruim entre Maradona e Josep Lluís Núñez, então presidente do Barcelona, e perdas financeiras do craque por conta de seu agente, Jorge Czysterpiller, pesaram também para a saída do craque para o futebol italiano, uma espécie de Eldorado da bola nos anos 1980.

“Braide inaugurou a categoria de ‘infecção presumida’ para fugir do debate”, diz Márcio Jerry

O deputado federal Márcio Jerry (PCdoB-MA) afirmou nesta quarta-feira (25) que Eduardo Braide (Podemos), candidato à Prefeitura de São Luís, inaugurou uma nova categoria na lista de desculpas para fugir aos debates em que enfrentaria o oponente, Duarte Júnior (Republicanos). Na noite de ontem, terça-feira, Braide usou uma rede social para mostrar o resultado negativo do exame da Covid-19, após confirmação que sua vice testou positivo para a doença.

“Braide inaugurou a categoria de ‘infecção presumida’ para fugir do debate com o Duarte. Braide sabe que nos debates o eleitorado vê claramente o quanto ele não está pronto e o quanto Duarte sabe resolver. Com o teste negativo para Covid, Braide não terá mais desculpa para fugir”, escreveu Jerry, em uma rede social.

Esta não é a primeira vez que o candidato aliado de Roberto Rocha (PSDB) e Jair Bolsonaro (sem partido) se ausenta de debates. Ele adotou a mesma tática após o jornal Folha de S. Paulo revelar no início de novembro um documento sigiloso que o classificava ‘investigado’ em um caso de corrupção. No dossiê publicado pelo jornal, constava ainda uma certidão assinada pelo próprio Braide designando um advogado para defendê-lo no caso.

A primeira reportagem da Folha –“Documento do Ministério Público classifica candidato em São Luís como investigado” – foi publicada no dia 7 de novembro, às 23h15. Dois dias depois, numa ação sem precedentes, Braide conseguiu, via juíza Cristiana de Sousa Ferraz Leite, da 76ª Zona Eleitoral do Maranhão, censurar a publicação. No mesmo dia ele faltou pela primeira vez de um debate entre os candidatos.

No dia 12 de novembro, a Folha rebateu a decisão da juíza e publicou uma certidão emitida pelo Ministério Público Federal (MPF) confirmando que Braide é alvo de uma investigação. Como consequência, a justiça acabou revogando a decisão que havia censurado reportagem do jornal. Porém, mesmo com os documentos publicados por um dos principais jornais do Brasil, Braide insiste em dizer em suas redes sociais que não é investigado.

O prefeito eleito de Tuntum deverá recuperar o dinheiro gasto com salários fantasmas para manter o Tema no poder

O prefeito Clelmar Tema e seus secretários desviaram milhões de Reais pagando salários a pessoas que não trabalhavam e muitos que nem em Tuntum moravam.
Um exemplo destes salários é o pago ao Sr José Osmar Oliveira da Silva, sogro do secretário Municipal de Saúde o enfermeiro Fabrício Coelho, que recebe R$ 3083,60 como agente administrativo da Secretaria Municipal de Saúde de Tuntum.
Além do Sr José Osmar, vários outros recebem e receberam salários sem trabalhar na prefeitura.
O esquema de salários fantasmas em Tuntum se assemelha ao mensalão usado pelo PT nas gestões do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da ex-presidente Dilma Rousseff, deixando um rombo de milhões nos cofres públicos, para que o prefeito Cleomar Tema se mantivesse no poder, por décadas.
A Justiça deverá ser acionada para pedir o ressarcimento destes salários aos funcionários que não provarem perante a lei que cumpriam as devidas cargas horárias.

Morre o jornalista Fernando Vanucci

Morreu nesta terça-feira em São Paulo, aos 69 anos, o jornalista Fernando Vanucci. Locutor, apresentador e comentarista esportivo, Vanucci deixa quatro filhos. A causa da morte não foi divulgada. Velório e sepultamento devem ocorrer no Rio de Janeiro. O jornalista passou mal pela manhã, socorrido pela empregada e levado ao Pronto Socorro Central de Barueri, na Grande São Paulo. No entanto, não resistiu. Vanucci havia sofrido um infarto em 2019 e colocado um marca-passo. Desde então, tinha a saúde comprometida. Fernando Vanucci trabalhou na Globo Minas entre 1973 e 1977. Em seguida, passou a trabalhar no Rio de Janeiro, apresentando diversos programas, como Globo Esporte, RJTV, Esporte Espetacular, Jornal Nacional, Jornal Hoje e Fantástico. Na passagem pela Globo, Fernando Vanucci cobriu seis Copas do Mundo: 1978, 1982, 1986, 1990, 1994 e 1998. Ainda ficou marcado pela criação do bordão “Alô, você!”. Ele também trabalhou em TV Bandeirantes, TV Record, Rede TV e Rede Brasil de Televisão.

O Globo

Empresa do irmão do prefeito de Tuntum faturou R$ 10 milhões em contratos com a Prefeitura

Desde 2016, o Posto Juliana, localizado na cidade de Tuntum, vem faturando alto com contratos na Prefeitura do município. o Blog do Neto Ferreira apurou que, entre o período mencionado acima e o início de 2020, R$ 10,6 milhões foram movimentados em acordos contratuais pela empresa. Os dados foram colhidos no Sistema de Acompanhamento de Contratações Públicas do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Em fevereiro de 2016, o Posto Juliana ganhou três contratos nas Secretarias de Educação, Administração e Assistência Social de Tuntum no valor total de R$ 1,3 milhão. Em meses diferentes de 2017, a empresa faturou 5 licitações na quantia de mais de R$ 2 milhões. Os acordos contratuais foram celebrados por várias Secretarias. Em 2018, o valor movimentado pelo posto na Prefeitura foi bem maior e chegou a R$ 3,6 milhões. Ainda nesse ano, a Câmara também contratou a empresa pela quantia de R$ 31,7 mil. No ano passado, o Juliana voltou a ser contratado pela gestão de Cleomar Tema pelo valor de R$ 909.950,00 mil. A Casa Legislativa também firmou um contrato com a empresa no montante de R$ 44 mil. Os valores estão sendo usados para pagar a compra de combustíveis feita pelo Executivo e Legislativo Municipais, segundo consta nos extratos contratuais publicados pelo Poder Público.

A equipe de reportagem do Blog buscou saber quem está por trás desse posto que vem faturando alto na Prefeitura e descobriu que a empresa é de propriedade de Kleber Cunha e Maria José Rodrigues Costa, ambos são irmão e cunhada do prefeito Cleomar Tema. Essa relação nada republicana nas licitações do Executivo de Tuntum vai ser alvo de um procedimento que deverá ser instaurado pelos próximos dias no Ministério Público .

Veja aqui a relação dos contratos

Do Blog do de Sá

Vereador Wellington apresentará Projeto de Lei para diminuir salários de vereadores e também haverá diminuição do repasse da Câmara Municipal por conta da crise fiscal do município.

O presidente da Comissão de Orçamento, Finanças e Fiscalização da Câmara Municipal de Tuntum   Wellington Chaves Pessoa, apresentará um Projeto de Lei na próxima sexta-feira (27) que diminui os subsídios dos vereadores para R$ 3.560,00 (três mil, quinhentos e sessenta reais) para a gestão de 1 de janeiro de 2021 até 31 de dezembro de 2024 devido à crise que o município enfrenta.

Vale ressaltar que a Constituição Federal de 1988 prevê repasse para a Câmara Municipal de até 7%, mas o prefeito não é obrigado a passar o valor integral, pois a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) foi aprovada sem emendas. O vereador ainda afirma que o repasse para a Câmara Municipal será em torno de R$ 80.000,00 (oitenta mil reais).
A diminuição dos salários dos Vereadores e do repasse para a Câmara Municipal será uma forma de contribuir com as finanças do município, que enfrenta grave crise fiscal por conta da má gestão deixada pelo atual prefeito Cleomar Tema.
O Projeto de Lei também fixa os subsídios de Prefeito, Vice-Prefeito e Secretários, todos receberão salários similares. E não haverá mais nenhum Secretário ganhando valores exorbitantes, como é o caso da secretária Loyanne, cunhada do prefeito Cleomar.

Deputados Fernando Pessoa e Neto Evangelista participam ativamente da campanha de Braide

Os deputados estaduais Neto Evangelista (DEM)  e Fernando Pessoa (SD) ampliam a base de votos de Eduardo Braide (Podemos) no segundo turno, em São Luis.

Neto disputou o primeiro turno e ficou em 3º lugar com mais de 83 mil votos na capital do Maranhão. Em coletiva à imprensa, realizada quarta-feira (18), afirmou: “Com muita responsabilidade e com os pés no chão estarei apoiando o Eduardo Braide”.

Fernando Pessoa fortalece o palanque de Braide depois de vencer a eleição municipal da cidade de Tuntum. Por lá,  o deputado derrubou a oligarquia da família “Tema” e libertou a população de uma verdadeira ditadura de quase 30 anos.

Grupo liderado pelo governador Flávio Dino elege mais de 180 prefeitos no Maranhão

O resultado eleitoral revela que o campo aliado ao governo Flávio Dino saiu vitorioso na maior parte das prefeituras do estado.

Dino avalia como positivo o resultado nas urnas para seu grupo. “Partidos aliados ao nosso governo elegeram aproximadamente 180 prefeituras, do total de 217. Bolsonarismo não ganhou praticamente nada”.

Em Imperatriz, o deputado Marco Aurélio ficou em segundo lugar, perdendo por apenas 1.500 votos, diferença de apenas 1%, que firma o candidato como uma liderança política de destaque na região Tocantina. Em outras cidades grandes, como Paço do Lumiar, Raposa, Timon, Bacabal, Balsas, Santa Inês, Pinheiro, Coroatá, Barreirinhas, Vargem Grande, Viana, Presidente Dutra, onde o governador pediu voto, o seu grupo saiu vitorioso.

O partido do governador e o deputado federal Márcio Jerry, o PCdoB, foi o quarto que elegeu o maior número de prefeitos em todo o estado no primeiro turno, com 22 eleitos, ficando atrás do PDT (42) do senador Weverton Rocha, PL (39) do Josimar de Maranhãozinho, e Republicanos (24) do vice-governador Carlos Brandão.

De John Cutrim

Márcio Jerry acusa Braide de retardar processo para ocultar que é investigado

Durante toda a corrida eleitoral, em debates, entrevistas e nas redes sociais, Eduardo Braide (Podemos) afirmou que não era alvo de nenhuma investigação, mas reportagem do jornal Folha de São Paulo revelou documentos sigilosos, entre eles uma procuração assinada pelo próprio candidato à Prefeitura de São Luís outorgando poderes a seu advogado para acompanhar o inquérito em que é acusado de corrupção.

Agora, o deputado federal Márcio Jerry (PCdoB) acusa Braide de ter feito manobras ilegais na tentativa de ocultar o processo ao menos até o fim do segundo turno. “Braide sabe que a investigação existe. Ele montou um esquema e conseguiu que o processo, que corre em segredo de justiça, só fosse despachado para o Supremo após a eleição. Ele só não contava que os documentos seriam vazados e que a verdade viria à tona”, disse o parlamentar.

A primeira reportagem da Folha, intitulada “Documento do Ministério Público classifica candidato em São Luís como investigado”, foi publicada no dia 7 de novembro, às 23h15. Dois dias depois, numa ação sem precedentes, Braide conseguiu, via juíza Cristiana de Sousa Ferraz Leite, da 76ª Zona Eleitoral do Maranhão, censurar a publicação. No mesmo dia ele faltou pela primeira vez de um debate entre os candidatos.

No dia 12 de novembro, a Folha rebateu a decisão da juíza e publicou uma certidão emitida pelo Ministério Público Federal (MPF) confirmando que Braide é alvo de uma investigação. Como consequência, a justiça acabou revogando a decisão que havia censurado reportagem do jornal. Porém, mesmo com os documentos publicados por um dos principais jornais do Brasil, o candidato Braide insiste em dizer em suas redes sociais que não é investigado.

“De um candidato a prefeito espera-se que não minta sobre nada, ainda mais sobre fatos graves que desabonam a conduta. Por que Braide não admite o que sabe e se explica aos ludovicenses? Ora, ele não faz isso porque sabe a gravidade das suspeitas”, completou Márcio Jerry.

Jovem de 17 anos é morta a tiros em Barra do Corda

A Polícia Civil investiga a morte de uma adolescente no bairro Vila Mariano, em Barra do Corda, a cerca de km de São Luís. O caso foi registrado na noite do último sábado (21).

Segundo a polícia, a vítima tinha 17 anos e se chamava Maria Isabel de Sousa Reis. Ela estava em casa quando um homem entrou e a matou com tiro de arma de fogo.

A motivação do crime ainda é apurada, mas, a polícia suspeita da relação entre esse feminicídio e outro crime cometido pouco tempo antes.

Segundo o delegado Márcio Rodrigo, o ex-companheiro de Maria Isabel se envolveu em uma briga com o vizinho dela. Depois do caso, ele resolveu matar a ex-companheira, com quem teve uma filha. Ele é o principal suspeito do crime e ainda é procurado.

Do G1 Maranhão