Filho de 7 anos de Temer tem R$ 2 milhões em imóveis

Aos 7 anos
de idade, completados em 2 de maio, Michel Miguel Elias Temer Lulia Filho, mais
conhecido como Michelzinho, é proprietário de pelo menos dois imóveis cujos
valores somados superam R$ 2 milhões. O pai, Michel Miguel Elias Temer Lulia,
de 75 anos, presidente em exercício da República, passou para o nome do único
herdeiro do seu casamento com Marcela Temer dois conjuntos comerciais que
abrigam seu escritório político em São Paulo.
Localizados
no Edifício Lugano, no Itaim-Bibi, zona sul da capital paulista, cada conjunto
tem 196 m² e valor venal de R$ 1.024.802, segundo a Prefeitura de São Paulo –
os dados são públicos e podem ser consultados na internet. O valor de mercado
costuma ser de 20% a 40% mais alto do que o valor de referência usado pela
Prefeitura para calcular o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).
Mesmo assim,
na declaração de bens que Temer apresentou à Justiça Eleitoral em 2014, cada
conjunto é avaliado em apenas R$ 190 mil. Isso é comum nas declarações de
políticos, pois os imóveis costumam ser declarados pelo valor de quando foram
comprados. A legislação não obriga a atualização do valor.
Doação
A assessoria
de imprensa de Temer informou que a transferência foi feita como doação, uma
espécie de antecipação da herança, e que as filhas do presidente em exercício
também já receberam imóveis em outros momentos. A assessoria não esclareceu
quais imóveis foram doados para as filhas, nem em que data isso ocorreu.
Luciana,
Maristela e Clarissa, fruto do primeiro casamento de Temer, são proprietárias
de imóveis residenciais na zona oeste de São Paulo, segundo a Prefeitura. A
primeira também é dona de um escritório no mesmo prédio onde ficam os imóveis
transferidos para seu irmão.
Outros bens
No caso da
declaração de bens de Temer apresentada quando foi candidato a vice-presidente
na chapa de Dilma Rousseff, a casa que possui na zona oeste de São Paulo também
está subavaliada. Em 2014, o presidente em exercício declarou a residência de
415 m² no Alto de Pinheiros, comprada em 1998, por R$ 722.977,41. Na
Prefeitura, o valor venal é de R$ 2.875,109. Sobre esse valor incide a cobrança
de IPTU.
Se a casa e
os dois conjuntos do Itaim-Bibi tivessem seu valor corrigido para pelo menos o
valor venal, o patrimônio declarado de Temer aumentaria em pelo menos R$ 3,6
milhões e chegaria a um total de mais de R$ 11 milhões. Isso não inclui outra
casa, de R$ 1.434.558, no bairro do Pacaembu, pela qual ele responde a uma ação
por não pagamento de IPTU, e que Temer diz ter vendido.

O patrimônio
do presidente interino cresceu rapidamente desde 2006. Naquele ano, Temer foi
candidato a deputado federal e declarou bens no valor de R$ 2.293.645,53. Se
corrigido pelo IGP-M da Fundação Getúlio Vargas, eles corresponderiam, em 2014,
a R$ 3.678.526,22. Porém, seu patrimônio declarado à Justiça Eleitoral em 2014
já havia crescido para R$ 7.521.799,27. Ou seja, mais do que dobrou acima da
inflação entre duas eleições – e isso sem levar em conta a valorização dos
imóveis.
Do MSN Noticias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *